Instituto Maurício de Nassau

Estudo mostra queda na expectativa de consumo em novembro

Data: 26/11/2013

Veiculo: Portal Leia Já

Um estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau (IPMN) revela que a intenção de compra de bens duráveis teve uma queda no mês de novembro de 0,8% em relação a outubro. Segundo dados do levantamento, os principais responsáveis pelo recuo são os setores de eletrodomésticos e veículos, com -16%. Eletrônicos e móveis apresentaram retração de -10% e -5%, respectivamente. Já o segmento da informática, apresentou um crescimento de 12%.

Em comparação aos anos anteriores, novembro de 2013 teve o pior desempenho dos últimos três anos, com 0,8% a menos que em 2012 e 0,7% menor que em 2011. Tal fato vai contra a expectativa de crescimento das vendas no último trimestre do ano. Nem mesmo a chegada do 13º salário parece ter animado o consumidor. Nos onze primeiros meses do ano, a média de intenção mensal de compra de bens duráveis foi de 8,4%, 3,7% inferior ao mesmo período de 2012, que obteve 12,1%.

Já o segmento de bem não duráveis, como roupas e calçados, apresentam resultado parecido ao do ano passado. A demanda aumenta com a chegada de datas comemorativas e apresentam diminuição nos períodos posteriores a essas datas.

A pesquisa revela ainda que a forma de pagamento preferida entre os consumidores recifenses na compra de bens duráveis no mês de novembro é a compra à vista. As compras a prazo tendem a ser realizadas de forma mais frequente no prazo de 10 meses. No entanto, as compras em até 6 meses representam 69,4% das intenções.

Recifenses concordam com manifestações ocorridas em junho

Data: 25/11/2013

Veiculo: Portal Leia Já

Com faixas, cartazes e demonstrações expressivas de anseio por melhorias para o país, as manifestações de junho ocorridas no Recife, mesmo após cinco meses de realizadas, ainda têm a concordância da maioria dos moradores da capital pernambucana. Os resultados da avaliação foram colhidos pelo Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau (IPMN), durante os dias 7 de 8 de novembro com a participação de 624 pessoas com 16 anos ou mais.

Do total dos participantes, o IPMN entrevistou 54,4% cidadãos do sexo feminino e 45,6% do masculino, sendo a maioria delas de 25 a 59 anos (23,2%) e pertencentes ao ensino médio completo ou superior incompleto (46,1%) e com uma renda mensal de até um salário mínimo (47,1%). Ainda sobre o perfil dos entrevistados, os maiores contingentes são de 40,9% pessoas que possuem emprego com carteira assinada, 15,8% autônomos e 14% não trabalham. A maior parte das pessoas que contribuíram com a amostra está inserida na classe C (62,1%), seguidas da B (29,8%), D (6,9%) e apenas 1,2% são da A.

Com os resultados obtidos observa-se que apesar dos protestos terem sido promovidos há cinco meses, as pessoas ainda são favoráveis às ações. Do total dos participantes, 50,4% afirmaram concordar com os atos públicos, 43% não foram favoráveis e 6,6% não souberam ou não responderam. Mesmo com a opinião da maioria dos entrevistados sendo positiva em relação às manifestações, 87% disseram não ter participado dos protestos.

Além das indagações sobre a participação das pessoas e a concordância ou não das manifestações, o IPMN detalhou as informações com opiniões colhidas em outros aspectos como a contribuição das manifestações, os demais atos públicos ocorridos após junho, a principal reivindicação dos que saíram às ruas, se as pessoas pretendem participar em 2014 de novos atos públicos, entre outros detalhes.

Os delineies de todas as informações obtidas com a pesquisa de número 064/2013 serão divulgadas pelo portal LeiaJá nesta semana com matérias exclusivas sobre a opinião dos entrevistados.

Recifenses não sabem o que é reforma política

Data: 18/07/2013

Veículo: JC Online / NE10

Quase 60% dos eleitores do Recife não sabem o que é reforma política, e entre os que dizem conhecer o assunto, a maioria (45,5%) não acredita que ela será implementada pelo Congresso Nacional. As informações estão em uma pesquisa realizada pelo Instituto Maurício de Nassau, em parceria com o Jornal do Commercio. Segundo o levantamento, apenas 36,4% dos entrevistados sabem o significado da reforma e, ainda assim, 72,8% deles consideram o tema complexo.

Das 624 pessoas entrevistadas, 68,1% também disseram não saber o que é plebiscito. E um percentual ainda maior, 79,1%, declarou desconhecer o significado de referendo. Apesar de tudo, a pesquisa mostrou que 91,2% dos que afirmaram saber o que é reforma política consideram hoje o assunto prioritário no Brasil.

“Impressiona a quantidade de pessoas que desconhecem o assunto”, disse um dos coordenadores do Instituto Maurício de Nassau, o economista Maurício Romão. “São percentuais assustadores, que mostram uma população alheia ao debate por falta de conhecimento sobre o tema”, declarou.

A pesquisa revelou ainda que 69,6% dos consultados querem que o voto deixe de ser obrigatório e que 45,1% acham que as pessoas devem ser candidatas sem precisar estar filiadas a um partido político. Apenas 37,4% discordaram disso, e 17,5% não souberam ou não responderam.

O levantamento mostrou também que quase 90% dos eleitores do Recife são favoráveis à criação de meios que possibilitem a interrupção dos mandatos de vereadores, deputados, governadores e presidentes que não exercerem seus cargos corretamente. A tese é aceita por 89,5% dos entrevistados, no caso de envolver legisladores, e por 88,7% quando se trata de representantes do Executivo.

REELEIÇÃO

Ponto polêmico em discussão na reforma política, a tese da reeleição também divide a opinião dos recifenses. Mas a maioria deles concorda que os políticos têm direito a disputar um novo mandato consecutivo, sendo que o apoio é maior para quem exerce um mandato no Poder Executivo.

Segundo o Instituto Maurício de Nassau, 56,9% aceitam que prefeitos, governadores e presidentes sejam reeleitos – apoio que cai para 47% no caso de vereadores e deputados. Esses, na opinião de 65%, dos entrevistados, não deveriam ter o direito de disputar eleições inúmeras vezes.

Questionados sobre qual seria o conselho que dariam aos deputados federais brasileiros, 29,1% disseram: “Sejam mais honestos.” Outros 12% pediram que “trabalhem” e 7,3% que “respeitem o povo”. Se o conselho fosse dirigido à presidente Dilma, os entrevistados pediriam a ela que “melhore seu governo/trabalhe” (9,4%). Para 8,5%, “renuncie” seria o melhor recado.

“Os números reafirmam o descrédito atual da classe política”, disse Maurício Romão. “Mostram também que o governo federal errou ao interpretar as manifestações de rua como um pedido pela reforma política. As pessoas querem a afirmação da cidadania, a mudança de conduta pessoal dos políticos, e não uma simples mudança das leis”, analisou o economista.

A pesquisa foi realizada nos 8 e 9 de julho. O nível de confiança é de 95% e a margem de erro estimada é de 4 pontos percentuais para mais ou menos.

A reforma política como reflexo das manifestações

Data: 18/07/2013

Veiculo: JC Online - NE10

A pesquisa realizada pelo Instituto Maurício de Nassau, em parceria com o JC, mostrou - além do desconhecimento da maioria (58,5%) dos eleitorado recifense sobre a reforma política -, que para 29,1% dos 36,4% dos eleitores   que dizem estar familiarizados com o tema, a reforma só voltou a ser discutida devido à onda de protestos que mobilizou milhões de pessoas em todo o País.

O levantamento apontou em segundo lugar a corrupção (16,4%) como motivo para a volta do tema ao debate. A inflação veio em seguida, com 10%, seguido da “insatisfação”, com 9,1% das citações.

Para 75,7% dos consultados, o tema em discussão conta com o apoio da presidente Dilma Rousseff, que, na opinião de 90,7%, ela deve se envolver diretamente nesse debate.

A pesquisa revelou ainda altos percentuais de desconhecimento dos temas ligados à reforma política, como o financiamento público de campanha, desconhecido por 55,8% das pessoas ouvidas pelo instituto. Dos 41,1% que afirmaram conhecer o assunto, 55,2% declararam discordar plenamente dele.

O desconhecimento sobre o voto distrital misto foi ainda maior. De acordo com o levantamento, 84,1% disseram não saber do que se tratava. Apenas 9,3% declararam conhecer o assunto, e 51,8% deles concordaram plenamente com o sistema.

Já 78,5% revelaram desconhecer o que é o voto distrital. Dos 15,7% que conhece este sistema eleitoral, 51,6% responderam que concordam plenamente.

Sobre o voto majoritário, 73% disseram não saber do que se tratava. E 45,2% nunca tinham ouvido falar em suplente de senador. A maioria dos entrevistados – 48,5% – sabia da existência dele, mas não concordava com isso. Segundo a pesquisa, 61,9% dos eleitores que conhecem a figura do “reserva” rejeitam sua existência.

Há uma semana, o Senado aprovou emenda constitucional que acabou com o segundo suplente de senador e proibiu a presença de parentes na chapa. A proposta havia sido derrotada um dia antes e acabou sendo “ressuscitada” para nova votação devido à repercussão popular que provocou.

A pesquisa do IPMN ouviu 624 eleitores recifenses, entre os dias 8 e 9 de julho. A margem de erro é de 4%, para mais ou menos. O nível de confiança é de 95%.

Acesso mais fácil à internet transforma Lan Houses

Data: 28/06/2013

Veiculo: Portal Leia Já

Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau (IPMN) revelou que grande parte dos recifenses tem acesso à internet em casa, trabalho e até nos celulares. Os índices apontam para uma realidade pouco atrativa para quem quer investir em algo que já foi uma febre, no início dos anos 2000: a Lan House.

As Lans Houses são estabelecimentos que oferecem computadores, com conexão à internet, para os que não tinha condições de ter pagar pelo equipamento e/ou pelo acesso à grande rede. Com o barateamento dos serviços e das máquinas, cada vez menos pessoas procuram as Lans, apenas 9,2% segundo a pesquisa, que são cada vez mais raras no Recife.

O microempresário João Victor manteve uma Lan House, chamada ‘Connect’, no bairro de Candeias em Jaboatão dos Guararapes,durante oito meses e há 15 dias teve que fechar a empresa para repensar os serviços oferecidos. “É preciso transformar e passar a deixar o local atrativo para outros públicos. Se um investidor quiser viver só de Lan House não vai conseguir. É necessário agregar outras funcionalidades como, papelaria ou gráfica, para o negocio continuar prosperando”, diz.

Ele decidiu abrir o negócio pela falta de concorrência no local, mas não conseguiu recuperar o dinheiro investido. “Não consegui reaver os R$ 12.500 que investi até agora. Lan House é um comercio em que os valores não tem uma média de lucro por mês. Como eu trabalhava também com digitação, alguns meses tinham vários trabalhos de colégio, outros não. Alguns meses superam sua base inicial, e tem meses que é abaixo do valor mínimo de lucro. Por exemplo, já teve dia de eu conseguir lucrar R$ 300 e dias que rendia R$ 10”, afirma Victor.

A esperança agora é inovar e conseguir atrair outros clientes, mas para isso será necessário mais investimento. “Espero ter um espaço mais organizado, para criar um clima que não seja mais da Lan House comum, com jogos e barulhos. Que seja um ambiente para atrair pessoas mais velhas”, conta o microempresário.

Outro caso parecido é o da microempresária Rosemiria Correia Ferreira, que mantém a Top Lan House há quatro anos, a sua única fonte de renda. O estabelecimento fica localizado no bairro da Mustardinha, No Recife.

Rosemiria diz que é a única que mantém esse tipo de negocio na região “Lan House só de acesso vai ser raro encontrar, hoje tem que acrescentar o algo mais para poder continuar lucrando” afirmou ela, que hoje lucra mais com impressões de trabalhos de faculdade e segundas vias de contas e faturas do que com acesso. “A margem de lucro é variada, alguns dias eu consigo R$ 100, mas na maioria varia entre R$ 30 e R$ 50”, detalha Rosemiria Ferreira.

Ao longo dos quatro anos com sua Lan House, a micro empresária percebeu a queda de usuários no seu estabelecimento. “Com tudo mais barato, computadores e internet, até divisão de internet entre casas vizinhas, fica perceptível a queda no movimento”, conclui.

Pesquisa aponta baixo uso de internet nos smartphones

Data: 28/06/2013

Veiculo: Portal Leia Já

Os smartphones vêm se popularizando cada vez mais nas mãos do público brasileiro. Um exemplo disso já foi mostrado na D11, conferência anual realizada pelo site All Things Digital em maio deste ano, quando a analista Mary Meeker divulgou dados que colocavam o Brasil como quarto país com o maior número de smartphones no mundo, atrás apenas da China, Estados Unidos e Japão.

Mesmo com a grande quantidade de usuários, parece haver certa relutância em relação a conectividade através dos meios portáteis como demonstra uma pesquisa realizada pelo Instituto Maurício de Nassau, em Recife. Das pessoas abordadas, apenas 12,3% costumam acessar a internet através de smartphones, ficando em terceiro lugar como meio mais utilizado, porém, consideravelmente atrás de acessos realizados em casa (41,4%) e no trabalho (19,2%). Em quarto lugar aparecem as lan houses com 9,2%.

“Eu sou impaciente com a demora do 3G. Às vezes quero ver algo e desisto por conta disso. Além de achar desconfortável acessar sites na tela pequena, pra digitar também não é tão fácil quanto no notebook”, opina a estudante de jornalismo, Andresa Vidal, de 19 anos. “Paguei 700 reais no meu celular e me arrependo porque no fim não uso as funções que ele oferece”.

Por outro lado há aqueles que não dispensam nenhuma das formas de conectividade ao alcance e fazem questão de estar sempre online. A atendente comercial, Cintia Milanez, de 24 anos, acessa a internet a todo momento, tanto em casa, quanto no trabalho ou celular. “É uma forma de me comunicar com as pessoas e saber o que acontece ao meu redor e no mundo”, ressalta.

Independente dos meios escolhidos, o aumento de usuários online aumenta cada vez mais no Brasil, que já se mostra o oitavo maior país do mundo a se expandir no segmento, segundo dados da empresa de consultoria Morgan Stanley. Entre 2008 e 2012, foi registrado um aumento de 27 milhões de novos usuários no país.

O levantamento do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau foi apurado no início do mês de junho e teve um total de 624 entrevistas registradas, realizadas com pessoas na faixa etária acima dos 16 anos e residentes na Região Metropolitana do Recife.

74,6% dos estudantes querem o Prouni municipal

Data: 22 de junho de 2013

Veículo: Porta Leia Já

O anseio dos estudantes recifenses em cursar o nível superior é crescente segundo os dados divulgados, neste sábado (22), em pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Mauricío de Nassau (IPMN) que entrevistou 522 alunos de 25 escolas da rede municipal de ensino. Porém, nem todos conseguem passar nos processos seletivos para as universidades públicas no estado e optam pela faculdade particular ou para os projetos federais que facilitam o egresso em tais instituições, entre eles o Programa Universidade para Todos (Prouni), em execução desde 2004.

No Recife uma das propostas de campanha do atual gestor, Geraldo Júlio (PSB), tratava da criação do Programa em nível municipal, e dados do IPMN apontam que 74,6% dos entrevistados aguardam ansiosamente pela execução projeto. Do montante total de participantes no levantamento, 64% já ouviram falar no Prouni e destes 20,1% acreditam que o projeto representa uma oportunidade em contrapartida aos 10% que afirmaram não contribuir em nada.

Questionado sobre o início do Prouni Municipal, o secretário de Educação do Recife, Valmar Correa, afirmou que o projeto deve começar a funcionar no segundo semestre deste ano. “O municipio não trabalha com o ensino médio, mas nós estamos tentando fazer uma remodelagem no sistema e identificar os alunos que passaram pelas escolas públicas no Recife até o 9º ano, e passaram para rede estadual no ensino médio. Com isso vamos permitir que eles caso não entrem na universidade através do ENEM, do vestibular tradicional ou do Prouni nacional, se inscrevam no municipal e tenham os estudos financiados pela prefeitura. No entanto ainda estamos concluindo a adequação do sistema e provavelmente lançaremos o programa agora no segundo semestre”, disse. A proposta da gestão é que sejam concedidas cerca de 4.100 bolsas de estudo integrais e/ou parciais, com um custo estimado em 2,05 milhões de reais.

Dos cursos mais cotados entre os estudantes direito é o mais pretendido com 23%, seguido por medicina 7% e administração 6,7%. A pesquisa foi realizada no dia 3 junho, com 27,3% de pessoas da classe B, 68% C e 4,7% D.

Dia Livre de Imposto” terá protesto no Recife

Data: 23 de maio de 2013

Veículo: Portal Diário de Pernambuco. Com

Que o brasileiro já não suporta a carga massacrante de impostos, todo mundo já sabe. Até por que todos os dias cada cidadão brasileiro paga tributos do momento que acorda ao que vai dormir. Essa contagem segue durante toda sua vida. Apesar de a situação ser real e crescente, muita gente ainda não tem consciência do quanto isso significa em valores e de como acontece esse processo de arrecadação.

Para chamar atenção da necessidade de se rever a legislação tributária vigente no Brasil, amanhã (24) será realizado um protesto no Recife para comemorar o “Dia Livre de Imposto”. O ato ocorrerá na Avenida Guararapes, em frente a Faculdade Joaquim Nabuco, no centro do Recife, a partir das 11h. A ação contará com a presença de vários estudantes protestando contra a alta carga tributária paga todos os anos pelos cidadãos e a ausência na qualidade dos serviços que esses impostos financiam.

O protesto é uma realização da Confederação Nacional dos Jovens Empresários (Conaje), em parceria com a Associação de Jovens Empresários de Pernambuco (AJE-PE), o Conselho Jovem da Associação Comercial (Cojac), a Associação Comercial de Pernambuco (ACP) e da Uninassau. É a segunda vez que as entidades se reúnem para protestar contra a alta carga tributária brasileira. Este ano, com o apoio do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário e do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau, o movimento busca conscientizar a população dos grandes valores pagos de tributos

De acordo com a organização do evento, centenas de jovens estarão “acorrentados” simbolizando as amarras sociais e econômicas causadas pela alta carga tributária. O impostômetro, equipamento que informa a quantidade de impostos paga pelos brasileiros e que hoje está  instalado no prédio da Uninassau, no Derby, será transferido para o local do protesto para reforçar a iniciativa. Os organizadores também prometem levar cruzes para simbolizar os impostos atrelados a vários produtos e serviços.

Segundo a Conaje, além do Recife outras 15 capitais estarão celebrando o “Dia Livre de Imposto”: Aracaju (SE), Belém (PA), Brasília (DF), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Goiânia (GO), Manaus (AM), Natal (RN), Palmas (TO), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Luis (MA), São Paulo (SP), e Vitória (ES). Além da ação pontual de amanhã, o movimento realizará campanhas nas redes sociais, demonstrando de diferentes maneiras como os impostos interferem nas compras e atividades cotidianas das pessoas. O objetivo é deixar transparente a forma como esses tributos são arrecadados e demonstrar os valores reais desses impostos.

Dia Livre de Imposto promoverá protesto no Recife

Data: 23/05/2013

Veículo: Blog do Jamildo/ Carga Tributária

O Dia Livre de Imposto será celebrado na cidade do Recife, na próxima sexta-feira, dia 24 de maio, na Av. Guararapes, em frente a Faculdade Joaquim Nabuco, Bairro do Recife. A ação, que começará às 11hrs, contará com a presença de vários estudantes protestando a alta carga tributária paga todos os anos pelos cidadãos e a ausência na qualidade dos serviços que esses impostos financiam. A comemoração O Protesto é uma realização da Confederação Nacional dos Jovens Empresários (CONAJE), junto com a Associação de Jovens Empresários de Pernambuco (AJE-PE), o Conselho Jovem da Associação Comercial (COJAC), a Associação Comercial de Pernambuco (ACP) e da UNINASSAU.

Todos os dias, cada cidadão brasileiro, paga imposto do momento que acorda ao que vai dormir. Essa contagem começa no exato momento de seu nascimento e segue durante toda sua vida. Apesar de a situação ser real e crescente, poucas pessoas conseguem tomar a consciência do quanto isso significa em valores e de como acontece esse processo de arrecadação.

A lei federal de número 12.325, foi instituída no dia 15 de setembro de 2010, formalizando o Dia Nacional de Respeito ao Contribuinte e da Liberdade de Impostos. Pensando em comemorar esse dia, o CONAJE, a AJE-PE, o COJAC, a ACP e a UNINASSAU realizam pela segunda vez em Pernambuco o Dia Livre de Imposto.

Este ano, com o apoio do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário e do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau, o movimento busca conscientizar a população dos grandes valores pagos de tributos no dia 24 de maio, na Av, Guararapes, em frente a Joaquim Nabuco. A ideia é engajar o maior número de jovens em um protesto e obter a isenção de alguns impostos, nos comércios próximos ao local. Centenas de jovens estarão “acorrentados” entre si simbolizando as amarras sociais e econômicas causadas pela alta carga tributária. O impostômetro, hoje instalado no prédio da UNINASSAU, será transferido para o local como forma de reforço ao protesto, ficando dependurado em cima da ponte através de um caminhão guincho. Cruzes simbolizarão os impostos atrelados a vários produtos e serviços.

Não foi apenas Pernambuco que aderiu à causa. Assim como nos anos anteriores, outras 15 capitais estarão celebrando seu Dia Livre de Imposto, são elas Aracaju (SE), Belém (PA), Brasília (DF), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Goiânia (GO), Manaus (AM), Natal (RN), Palmas (TO), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Luis (MA), São Paulo (SP), e Vitória (ES).

Além da ação pontual do dia 24 de maio, o movimento realizará campanhas nas redes sociais, demonstrando de diferentes maneiras os impostos nas compras e atividades cotidianas das pessoas. O objetivo é deixar transparente a forma como esses tributos são arrecadados e demonstrar os valores reais desses impostos.

Recife terá dia contra o Imposto

Data: 24/05/2013

Veículo: Jornal do Commercio/ Economia

Para sensibilizar os consumidores sobre os altos tributos pagos no País, hoje haverá mobilizações no Recife para marcar o Dia Livre de Imposto, organizado pela Confederação Nacional dos Jovens Empresários do Recife (Conaje), em parceria com a Associação Comercial de Pernambuco (ACP). Amanhã, a ação acontecerá em outros 19 Estados.

Às 11h, o impostômetro da Uninassau será levado para a Avenida Guararapes, onde cerca de 500 participantes serão acorrentados para chamar a atenção dos passantes sobre o volume de impostos pagos no Brasil.

A ação terá continuidade às 14h, no Posto BR perto da Ponte do Limoeiro, no Bairro do Recife. Serão vendidos 5 mil litros de gasolina isentos de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), 27% do preço do combustível no Estado. Na ocasião, o litro será vendido por R$ 2,09. Cada consumidor poderá comprar até R$ 10 para abastecer motocicleta ou até R$ 20 para carro.

As opiniões postadas neste blog não refletem necessariamente a posição deste Instituto.

Copyright © Núcleo de Tecnologia da Informação - ESBJ

Recife

Endereço: Rua Manoel Caetano, 132, Derby, Recife-PE - CEP.: 52010-220
Contato: 3413-4611

Uma instituição do Grupo Ser Educacional